Infelizmente a prática ortomolecular está vetada por decisão do CFM e os médicos que antes praticavam agora não podem mais praticar.

______________________________________________________
 
Abaixo um material que preparei ha 6 anos sobre as dúvidas mais comuns acerca da ortomolecular e sobre minha prática. 
 
Meu nome é Frederico Lobo, sou médico, clínico geral, escritor e ambientalista. Há 13 anos, iniciei meus estudos sobre Bioquímica médica, Nutrologia Médica  e Estratégias ortomoleculares. Ao longo da minha formação acadêmica realizei diversos cursos na área. Graduei-me em medicina, posteriormente matriculei-me na pós-graduação em Estratégias ortomoleculares da Universidade Veiga de Almeida - RJ, paralelamente fiz Pós-graduação em Medicina Tradicional Chinesa pela Universidade Estácio de Sá.

Ao longo da pós-graduação coordenei a criação da ASOMED, uma associação que visa orientar a população sobre a prática ortomolecular, desmistificando as controvérsias e o preconceito de muitos profissionais para com a prática. Defendemos uma prática embasada em ciência, respeitando a legislação do Conselho Federal de Medicina (CFM) e prescrevendo apenas aquilo que é permitido (hormônios não fazem parte da prática ortomolecular). Nesses 13 anos, participei de diversos congressos, cursos e jornadas ligados à prática ortomolecular, bioquímica médica e nutrologia. Também auxiliei na coordenação de eventos da área.

Atualmente atendo semanalmente no meu consultório particular em Goiânia Sou médico concursado e coordenador do Ambulatório de Nutrologia clínica da Prefeitura Municipal de Aparecida de Goiânia. Sou presidente da ASOMED.

Minhas condutas são criteriosas, calcadas em rigor científico, baseada em evidências científicas sólidas e primo pela transparência para com o meu paciente (paciente não é cliente). A prescrição de suplementos só é feita se houver real necessidade, assim como utilização de soros endovenosos. Infelizmente a ortomolecular é um terreno cercada de preconceitos e de certa forma compreendo tal situação, visto que uma parcela dos praticantes agem de má fé, solicitando exames sem validação científica, prescrevendo medicamentosos endovenosos desnecessariamente e infringindo a resolução do CFM que regulamenta a prática ortomolecular. A maior prova disso são as denúncias e solicitação de orientação que a ASOMED recebe em seu site (http://asomed.webnode.com.br) semanalmente. 

Não utilizo terapias com pouco respaldo científico, tais como os seguintes exames: Bioressonância, HLB, Sigo à risca a Resolução CFM Nº 1.938/2010 a qual o Conselho Federal de Medicina regulamenta prática ortomolecular, determinando o que é permitido dentro da nossa prática. Também não trabalho com modulação hormonal  (terapia antienvelhecimento, hCG, prescrição de anabolizantes, Testosterona, DHEA, melatonina) já que tal prática é condenada pelo Conselho Federal de Medicina, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontrologia (SBG) e pela Associação Brasileira para Estudos da Obesidade e Síndrome Metabólica (ABESO). O parecer que proíbe a prática de modulação hormonal no Brasil está disponível aqui: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2012/1999_2012.pdf
Pode ser que o CFM esteja errado? Pode ser, mas legislação existe para ser cumprida e respeitada. Além disso, paciente meu não é cobaia, para que eu possa prescrever modalidades terapêuticas  com pouco respaldo científico e sem aval das maiores sociedades médicas do mundo.

 
A origem da ortomolecular

R:  O prefixo Orto (Ortho) deriva do grego e quer dizer "correto", logo, Ortomolecular, ao pé da letra, significa "molécula correta". O termo foi cunhado em 1968 por um professor americano de química quântica e bioquímica chamado Linus Pauling (1901-1994).  O mesmo era um cientista e criou esse termo inicialmente baseado em trabalhos randomizados e duplo-cegos do psiquiatra canadense Abrahan Hoffer, que conseguiu diminuir o tempo de internação de esquizofrênicos com o uso de doses elevadas de vitamina B3 (3g/dia). Linus Pauling foi prêmio Nobel por 2 vezes (Química em 1954 e da Paz em 1962) propondo que distúrbios mentais poderiam ser tratados pela correção de desequilíbrios ou deficiências de constituintes cerebrais tais como vitaminas e outros micronutrientes, como uma alternativa à administração de drogas psicoativas sintéticas.

No final da década de 60 passou a desenvolver a Bioquímica da Nutrição e na década de 70 extendeu o conceito Ortomolecular à medicina em geral, como sendo "moléculas certas em concentrações certas", caracterizando uma abordagem de prevenção e tratamento de doenças e alcançar a saúde baseada em ações fisiológicas e enzimáticas de nutrientes específicos, como vitaminas, minerais e aminoácidos presentes no organismo.

 Linus Pauling é considerado o pai da Biologia Molecular.

 
Prática Ortomolecular no Brasil

R: No Brasil temos dois principais pioneiros na prática ortomolecular. Ambos pesquisadores renomados e que contribuiram para a popularização da Ortomolecular:

A)  Prof. Dr. Hélion Póvoa é um dos maiores especialistas na área de nutrição e bioquímica do país. Foi ex-aluno de Linus Pauling e trouxe para o Brasil a ortomolecular. Membro titular da Academia Nacional de Medicina, pesquisador da Fiocruz e professor-visitante de Nutrição em Harvard. Tem mais de 400 trabalhos de pesquisa publicados no Brasil e no exterior. Inúmeros livros sobre ortomolecular.

B) Prof. Dr. José de Felippe Jr é também um dos pioneiros da ortomolecular (ou como o próprio denomina: Medicina Biomolecular) no Brasil. Fomou-se pela Santa Casa de São Paulo, tem doutorado em Fisiologia pela Universidade de São Paulo, PhD em Ciências , livre docente de Clínica Médica e Medicina Intensiva pela Universidade do Rio de Janeiro, fundador e Primeiro Secretário Geral da Associação de Medicina Intensiva Brasileira ( AMIB). http://www.medicinacomplementar.com.br/

C) Na atualidade existem outros profissionais que agregaram muito valor à medicina ortomolecular/biomolecular no Brasil, como os médicos:
  • Os cardiologistas
c1) Efraim Olzewer,
c2) Artur Lemos (http://www.arturlemos.com.br/),
c3) Fábio Cesar Santos (atual presidente da Associação Médica Brasileira de Oxidologia - AMBO),
  • Os psiquiatras ortossistêmicos:
c4) Dr. Cyro Masci (http://www.masci.com.br/),
c5) Juarez Callegaro (http://www.ortossistemica.com.br/),
c6) Dra. Guilhermina Guanaes,
c7) Dr. Luiz Paulino Guanaes.

A Prática ortomolecular é uma especialidade médica?

R: Primeiramente não devemos utilizar o termo medicina ortomolecular, pois ela não é considerada uma especialidade médica, muito menos área de atuação. Apesar de ter sido regulamentada em 2010, uma resolução de 2012 revogou essa regulamentação e portanto a sua prática não é reconhecida pelo CFM. O Médico portanto não pode divulgar que é praticante de estratégias ortomoleculares.

Por não ter uma base sólida, fundamentação científica baseada em evidências e sim um agrupamento de conhecimentos bioquímicos associados à prática médica, é muito improvável que a ortomolecular se torne uma especialidade médica.
 
Evidências cientificas da eficácia da estratégia ortomolecular

R- Na atualidade não restam dúvidas que os fenômenos oxidativos (formação de radicais livres) exercem papel relevante na origem de uma vasta gama de patologias. Há vários trabalhos que mostram os benefícios da terapia antioxidante, assim como há outros que mostram que em determinadas situações a terapia é contra-indicada. Para citar um exemplo prático, o Estudo CARET mostrou que pacientes que fumavam tinham mais problemas, incluindo câncer de pulmão quando faziam ingestão de betacaroteno (sintético), deste modo resta óbvio que não devemos usar os carotenóides sintéticos em tabagistas.

Por isto é fundamental que ao procurar o auxílio de um médico com prática em ortomolecular, que esse médico tenha uma boa formação na área (pós-graduação) a fim de que ele possa avaliar quais as vantagens, limitações e riscos da ingestão de qualquer elemento que tenha interferência na saúde.

A busca da Ortomolecular deve ser feita no sentido de prevenção, de sentir-se melhor, de alcançar o bem-estar, de promover mudança de hábitos de vida e dos valores relacionados à saúde. A adoção de estratégias preventivas sempre se mostra muito mais promissora do que tratar um problema já instalado. Evidentemente que alguém que teve um Infarto do miocárdio ou Câncer já passou há muito tempo do estágio de prevenção e, neste contexto, menos pode ser feito pela prática ortomolecular (mas ainda assim muito pode ser feito, como por exemplo orientações sobre hábitos saudáveis de vida, correção de deficiências nutricionais, suplementação orientada, etc).
 

Como saber se o médico está apto a exercer a estratégia ortomolecular se não há disciplina de ortomolecular na grande dos cursos de medicina do Brasil?

 R: No Brasil ainda existem poucos curso de ortomolecular, a maioria pós-graduações (2 anos) e são restritos a médicos. Os principais cursos são reconhecidos pelo MEC e no geral possuem um vasto conteúdo programático.

A opinião da ASOMED  e de outras Associações de Médicos que atuam na prática, é que Ortomolecular é ciência e prática médica e necessariamente deve ser exercida única e exclusivamente por médico. Nutricionistas podem utilizar de algumas estratégias ortomoleculares, mas o ato de diagnóstico deve ser feito por médicos pós-graduados na área. A ortomolecular está para a medicina como a funcional está para a nutrição.
 
Portanto, antes de procurar um médico que atue na área, procure saber se o mesmo tem pós-gradução na área, se participa de associações médicas e se ele se atualiza constantemente. Ferramenta simples: Google. Digite o nome do médico no google acrescentado dos termos: currículo; currículo CNPQ, pós-graduado. Outra dica é entrar no site do próprio CNQP: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do?metodo=apresentar e digitar o nome do médico, mas antes marque a opção: ( ) Demais pesquisadores (Mestres, Graduados,Estudantes, Técnicos, etc.)

É importante salientar, que nós, médicos com prática ortomoleculares não nos achamos superiores aos demais médicos ou demais profissionais da saúde, apenas temos habilidades diferentes e uma propedêutica diferenciada.

A consulta com abordagem ortomolecular 

R: A consulta ortomolecular inicial dificilmente dura menos de 1 hora. Consiste basicamente em uma consulta médica como outra qualquer, composta de questionamentos sobre sinais e sintomas (anamnese), exame físico e, se necessário solicitação de exames complementares gerais e específicos e por fim instituição do tratamento.

 
O diferencial da ortomolecular muitas vezes é a questão do tempo gasto pelo médico e questionamentos feitos de forma mais holística. Enquanto um especialista geralmente fica restrito à área dele (e ele não está errado) o médico que atua na estratégia ortomolecular busca ter uma abordagem mais integrativa, enxergando o paciente como um todo. E é claro: isso demanda tempo.

Portanto, dificilmente médicos ortomoleculares atendem planos de saúde. Muitas vezes até atendem outras áreas por planos de saúde, solicitam os exames pelo plano de saúde, mas a consulta em si não é coberta pelo plano.
ática ortomolecular
Lembre-se: desconfie de médicos que:
  1. Auto-intitulam: Especialista em Medicina ortomolecular ou em prática ortomolecular  = Isso não existe
  2. Tomam condutas baseadas APENAS em exames que não possuem validação científica ou reconhecidos pelo Conselho Federal de Medicina. A clínica SEMPRE será soberana e isso é indiscutível.
  3. Tomam condutas baseadas APENAS em dosagem sanguínea de minerais e vitaminas. Afinal, o sangue não reflete a realidade do tecido. Alguns minerais devem ser dosados ou via mineralograma capilar ou nos eritrócitos. Um bom médico tem conhecimento sobre quais minerais podem ou não ser dosados com confiabilidade no sangue. O mesmo vale para a maioria das vitaminas. A dosagem sanguínea reflete apenas o momento e pode não corresponder ao real status nutricional do paciente. Portanto, faz-se necessário a dosagem de alguns de seus metabólitos. Ex. Ácido metilmalônico para verificar deficiência de Vitamina B12...
  4. Caso o seu médico intitulado ortomolecular solicite exames NÃO reconhecidos pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e/ou Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) , você deve estar ciente que ele não tem o direito de cobrar por eles (já que são complementares para auxiliá-lo em SUA análise) e que se assim agir poderá estar sujeito a denúncia e sanções por parte dos CRMs a que estiver subordinado

O custo do tratamento ortomolecular
 
R: Existe um estigma de que o tratamento ortomolecular é um tratamento caro, porém se formos verificar tudo que é feito em um tratamento ortomolecular e seus reais benefícios, percebemos que a terapia na verdade é “barata”, tendo-se em vista a boa relação final de custo-benefício.

 
O preço da consulta é justificado pelo tempo que o médico ortomolecular gasta com o paciente, geralmente com avaliação inicial de no mínimo 1 hora (vale ressaltar que o acompanhamento do paciente é feito em consultas de retorno que habitualmente também duram uma hora ou mais).
 
Os exames na maioria das vezes são os tradicionais e a grande maioria é coberta pelos planos de saúde. Já o tratamento em si, como é personalizado, às vezes sai caro. Mas varia de paciente pra paciente: quanto mais hábitos saudáveis de vida, quanto melhor a alimentação, menos o paciente precisará gastar. Portanto, o “caro” é relativo. Se o paciente insiste em manter hábitos de vida ruins, não quer se alimentar de forma equilibrada (ingerindo doses mínimas de vitaminas, minerais e boas gorduras) com certeza a formulação sairá cara. É dever do médico praticante de ortomolecular estimular a aquisição de nutrientes via alimentação e não via suplementos.

 
Fala-se muito em radicais livres e que a ortomolecular visa combater a formação deles. O que são os radicais livres?
 
R: Cerca de 95% do oxigênio proveniente da respiração é neutralizado pela cadeia respiratória celular, onde acaba seu ciclo metabólico, sendo transformado em água. Os 5% de oxigênio restantes são transformados nos Radicais Livres que, se não forem adequadamente eliminados ou se estiverem sendo formados em excesso, podem vir a ser prejudiciais para o organismo humano, provocando uma condição patológica chamada de Stress oxidativo. Mas lembre-se que os radicais livres também podem ser benéficos para o corpo, pois auxiliam nas defesas do sistema imune.
 
Esse stress oxidativo pode ser causado por anomalias genéticas dos órgãos de defesa, e também por fatores ambientais, como por exemplo: o tabagismo, a radiação, excesso de atividade física, intoxicações metálicas, ingestão de gorduras animais, frituras, carne vermelha, inflamações e infecções, consumo abusivo de álcool, stress físico e mental, etc.
 
Hoje em dia a medicina sabe que várias doenças têm sua origem vinculada à ação dos Radicais Livres, como por exemplo: Câncer, Aterosclerose, Artrites, Catarata, Enfisema Pulmonar. Outras doenças pioram sua evolução na presença de excesso de Radicais Livres como: Infecções graves, Diabetes, Mal de Parkinson, Doença de Alzheimer, Enfermidades neurológicas desmielinizantes (Esclerose lateral amiotrófica).

Mas será que precisamos deliberadamente tomar medidas para combatê-los? As espécies reativas de oxigênio (EROs) são produtos naturais dos processos oxidativos que ocorrem em nossas células, nas mitocôndrias. Portanto, produzir energia implica em produzir radicais livres, e não há como evitar tal produção. Uma vez que os músculos produzem muita e são dotados de muitas mitocôndrias, eles acabam sendo um dos principais locais de produção das EROs. O problema é que, dentro das mitocôndrias, existe muito DNA, que pode sofrer danos. Outro problema é que as mitocôndrias se renovam e, para tanto, precisam copiar o material genético (DNA) das mitocôndrias já existentes. Se o DNA já estiver danificado, a cópia conterá os danos anteriores, os que se somarão aos novos danos. O resultado desse acúmulo de danos ao DNA ao longo do tempo é a diminuição da função da mitocôndria. Em outras palavras, ao longo do tempo (leia-se envelhecimento), ocorre um acúmulo de danos ao DNA mitocondrial, os quais resultam em diminuição da capacidade de produzir energia. Essa é a base da teoria do envelhecimento mitocondrial e, não ao acaso, ao envelhecer, perde-se progressivamente sua capacidade de produzir energia e de realizar exercícios que dependem do metabolismo aeróbio. Por esse mesmo motivo, o combate aos radicais livres promete efeitos “antienvelhecimento”.

Estudos mais recentes tem demonstrado que a ingestão de antioxidantes naturais mostra-se benéfica para a maioria das patologias que tem o estresse oxidativo como componente da fisiopatologia. Mas a maioria dos estudos mostram que a suplementação com antioxidantes sintéticos falham ao tentar minimizar esse estresse oxidativo. Muitas vezes sendo mais deletério do que benéfico. Há um fino equilíbrio entre nossos antioxidantes, sendo assim muitas vezes os nossos antioxidantes endógenos podem se tornar pró-oxidantes.

A corrente que sigo na ortomolecular, evita ao máximo a prescrição de antioxidantes, justamente por acreditar que eles não sejam tão deletérios como propagados, além disso, por estudarmos biodisponibilidade de nutrientes, sabemos que uma infinidade de antioxidantes são facilmente obtidos através de uma alimentação variada e equilibrada.
 
O médico que se auto-intitula como praticante da estratégia ortomolecular deve estar apto a realizar quais procedimentos ?
 
R: Na estratégia ortomolecular/biomolecular o médico deve estar apto a :

1 - Descobrir quais nutrientes essenciais estão faltando ou em excesso;

2 - Diagnosticar se existem metais tóxicos no organismo;

3 -Verificar se o sistema endócrino e sistemas de absorção, metabolização, excreção estão dentro da normalidade;

4 - Diagnosticar se existe intolerância ou alergia alimentar;

5 - Conhecer e orientar sobre hábitos saudáveis de vida a todos os pacientes.
 
Modos de ação da ortomolecular
 
R: Existem 3 maneiras (modos) do tratamento ortomolecular agir:
 
1) Modo PREVENTIVO: através de diagnósticos cada vez mais precoces, detectando alterações metabólicas subclínicas (antes do surgimento das doenças propriamente ditas), utilizando-se do tratamento Ortomolecular que visa o equilíbrio global do indivíduo, dando-lhe condições de manter-se sadio ou, diante de doenças, obter melhor resposta à terapêutica específica empregada. Os exames por nós utilizados incluem: exames de imagem, exames laboratoriais, mineralograma capilar. Exames como a Bioressonância (Vegatest), muito utilizada por alguns ortomoleculares, não possuem validação científica perante a ANVISA e por isso alguns ortomoleculares mais céticos não os utilizam.
 
2) Modo SISTÊMICO: atua na avaliação diagnóstica de todos órgãos e sistemas, analisando a inter-relação e interdependência entre eles e nos tratamentos nutricionais celulares, através de suplementação com nutrientes indispensáveis ao organismo ou retirando substâncias em excesso ou tóxicas, como metais pesados.
 
3) Modo INTERATIVO: atua na inter-relação dos sistemas humanos com os sistemas ambientais, visto que estamos dentro de uma grande teia em que os sistemas interagem: homem/natureza; homem/animais, homem/alterações climáticas, homem/poluições, etc.
 
Os nutrientes da ortomolecular
 
R: Todas as células do corpo produzem energia com a finalidade de fabricar vários tipos de moléculas necessárias para o seu bom funcionamento. Nesse processo de produção de energia e síntese de substâncias que mantém o equilíbrio, uma parte do substrato para ativar esse processo é composto por substâncias que o próprio corpo sintetiza. Mas cerca de 48 substâncias (também importantes para o processo) o corpo não consegue sintetizar e para isso é necessário que venha através da alimentação e respiração.
 
Tais substâncias são denominadas de "Nutrientes Essenciais" e portanto o organismo deve recebê-las já prontas do meio externo. Isto quer dizer que necessitamos de um aporte nutricional adequado, em elementos essenciais, e não é difícil compreender que a falta de um ou mais desses elementos prejudicará o funcionamento das células e, conseqüentemente, do organismo como um todo.
 
Os 48 nutrientes essenciais que devem ser recebidos do meio externo:

Aminoácidos: 1-Histidina; 2-Leucina; 3-Isoleucina; 4-Valina; 5-Lisina; 6-Metionina; 7-Fenilalanina; 8-Treonina; 9-Triptofano

Ácido Graxo essencial: 10-Ácido linoléico

Vitaminas: 11-Tiamina (B1); 12-Riboflavina (B2); 13-Niacina (B3); 14-Piridoxina (B6); 15-Ácido fólico (B9); 16-Cobalamina (B12); 17-Ácido pantotênico (B5) ; 18-Biotina; 19-Ácido para-amino-benzóico (PABA); 20-Inositol; 21-Colina; 22-Ácido ascórbico (C); 23-Retinol (A); 24-Calciferol (D); 25-Alfa tocoferol (E); 26-Menadiona (K)

Sais minerais: 27-Sódio; 28-Potássio; 29-Cálcio; 30-Fósforo; 31-Magnésio; 32-Manganês; 33-Ferro; 34-Cobre; 35-Zinco; 36 - Selênio; 37 - Cromo; 38- Iodo; 39 - Enxofre; 40 - Lítio; 41 - Boro; 42 - Flúor; 43- Vanádio; 44- Molibdênio; 45-Ácido lipóico; 46-Bioflavonóides (rutina, hesperidina, quercetina)

Outros: 47-Água, 48-Oxigênio
 
Na nossa terapêutica utilizamos diversas dessas substâncias. O papel das vitaminas, aminoácidos, ácidos graxos, enzimas e minerais, na terapêutica tem sido revisto, graças aos estudos estimulados pelo uso dessas substâncias na prática clínica e descobertas da pesquisa básica. O ortomolecular genuíno não utiliza nenhuma outra substância além dessas. Portanto hormônios NÃO fazem parte do arsenal da ortomolecular, assim como antioxidantes sintéticos.

Mas como saber o que está faltando no organismo? Uma anamnese completa (história do paciente bem colhida, idealmente por no mínimo 1 hora), exame físico e alguns exames (especiais, por exemplo o Mineralograma - exame do fio do cabelo - que detecta metais tóxicos que não deveriam ser encontrados no organismo e necessitam ser retirados), como dosagens de metabólitos de vitaminas e ácidos graxos para diagnosticar se há necessidade de repor tais substâncias.
 
Exames utilizados na prática ortomolecular

R: Varia de médico pra médico. No geral utilizamos:
1 - Exame clínico (anamnese e exame físico)
2 - Exames laboratoriais: exames de sangue (bioquímicos, hormônios, enzimas), fezes, urina;
3 - Exames de imagem: Raio X, Ultrassonografias, Tomografias, Ressonâncias;
4 - Mineralograma capilar.
5 - Bioimpedância (não confundir com Bioressonância)
 
Existem alguns exames não-convencionais que alguns ortomoleculares utilizam, mas que não são obrigatoriamente “da ortomolecular”. Não os utilizo, mas vários colegas utilizam. Os principais são:
2) HLB (microscopia de campo claro e escuro, que é o exame da gota de sangue colhida na hora),
3) Biorressonância (Vegatest),
4) Nerve express,
5) Termografia
6) ES complex
7) Testes nutrigenéticos
8) Testes de intolerãncia alimentar baseados em IgG e IgG4
 
Mineralograma capilar
 
R: Mineralograma consiste na dosagem de minerais em algum tecido do corpo. Mineralograma capilar ou popularmente chamado “exame do Fio de cabelo”, consiste na dosagem de minerais no cabelo. É utilizado nos Estados Unidos há mais de 30 anos e liberado pelo Conselho Federal de Medicina.
 
Este exame é um método rápido, eficiente e indolor para saber como vai sua saúde, proporcionando uma orientação médica com muito mais segurança. Seu cabelo contém todos os minerais presentes em seu corpo, e o mineralograma mede se há excesso de metais tóxicos. Alguns médicos extrapolam e acreditem que a matriz capilar sirva para verificar o status nutricional, ou seja, acreditam que sirva para dosar a quantidade de minerais. O Conselho Federal de Medicina veta a sua utilização com essa finalidade. Seu uso é única e exclusivamente para detecção de metais tóxicos.

Não adianta o paciente por conta própria solicitar o mineralograma, pois existe toda uma interpretação. Por exemplo, se um mineralograma apresenta Boro aumentado, não necessariamente esse Boro está aumentado, pode estar ocorrendo uma desmineralização óssea e com isso o Boro desloca-se do Osso e vai para outros tecidos, dentre eles o tecido capilar. Portanto, é fundamental que o médico seja o responsável pela solicitação e interpretação.

 
Com relação à coleta, o paciente precisa fornecer uma amostra de seu cabelo. Esta deve se retirada na região da nuca ou occipital (da raiz, até 3cm). Uma amostra de +- 1g, que não contenha tintura, permanentes, gel, condicionadores e tratamentos químicos afins. O paciente é orientado a fazer um preparo para a coleta, que irá variar de semanas a meses caso o mesmo utilize tinta ou qualquer produto químico que possa alterar o exame

 
Tratamento endovenoso
 
R: Este tratamento é chamado de desintoxicação. Serve fundamentalmente para eliminar metais pesados como Chumbo, Alumínio e Mercúrio que podem causar uma série de problemas clínicos. Em alguns casos, é utilizada terapia venosa para suprir deficiências nutricionais impostas por algumas moléstias.
 
Deve-se ter em mente que este tipo de tratamento é selecionado para casos isolados onde existe a comprovação da intoxicação e uma correlação clínica pelos referidos metais pesados. Não é algo feito de rotina na prática ortomolecular; entretanto, isso varia de médico pra médico. Pacientes que desejam resultados mais rápidos optam por reposição de vitaminas e sais minerais por via endovenosa. Porém, a terapia endovenosa não substitui a dieta e terapia via oral.

Uma situação muito comum é: pacientes chegam ao consultório com alterações no trato digestivo (em especial a Disbiose intestinal), sendo assim a muitos dos nutrientes prescritos via oral, dificilmente serão absorvidos naquele momento. O médico então inicia um tratamento para melhora do status intestinal e paralelamente prescreve alguns nutrientes endovenosos. Mais adiante quando o paciente já apresenta uma melhora, mantemos apenas a terapia via oral e dieta.

Outra situação comum: deficiência de vitamina D. Como o paciente apresenta sintomatologia devido aquela deficiência e o uso diário via oral  da Vitamina D3 pode demorar a restabelecer os níveis adequados da 25-Hidroxi-vitamina D, optamos por prescrever injeções intramuscular semanais por 1 mês... posteriormente deixamos apenas a dose via oral.

 
Estratificando a produção de radicais livres
 
R: São vários os fatores que aumentam os radicais livres. Para citar alguns: tabagismo, poluição atmosférica, poluição do solo, poluição da água, uso de agrotóxicos, poluição eletromagnética, sedentarismo, dietas pro-inflamatórias, estresse crônico, doenças degenerativas, entre outros. A mensuração no organismo pode ser feita por vários métodos, sendo os mais comuns:
 
1 - Dosagem de radicais livres no sangue por quimioluminescência;
2 - Dosagem de de MDA (Dialdeído malônico ou Malondialdeído) na urina: o MDA consiste em uma substância que aumenta na vigência de uma reação chamada lipoperoxidação, ocasionada por radicais livres;
3 - Dosagem de enzimas antioxidantes tais como: Glutation peroxidase, Superóxido dismutase e Catalase;
4 - Dosagem de substâncias antioxidantes como vitaminas (A, C, E, Betacaroteno, ácido fólico, B12); na verdade, dosamos os seus metabólitos e quando estes estão baixos, subentendemos que está ocorrendo uma baixa ingesta ou então utilização excessiva, possivelmente a fim de neutralizar a ação de radicais livres;
5 – HLB, que consiste em um exame por meio da análise de uma gota de sangue, extraída do paciente na hora da consulta e avaliada através de microscópio óptico de alta resolução. Tal exame é proibido pelo CFM.
 
Caso os níveis de radicais livres estejam fora dos níveis fisiológicos, dependendo de cada caso, será feita a reposição dos antioxidantes necessários através da alimentação. Muitas vezes inicialmente começamos apenas com mudança de hábitos de vida e reestruturação dietética.
 
Ação antienvelhecimento
 
R: Muitos pacientes acreditam que ingerindo vitaminas, minerais e antioxidantes, terá um retardo no seu envelhecimento. Isso é um erro. Antes de qualquer intervenção terapêutica, devemos olhar os hábitos de vida dos pacientes, com estímulo à adoção e manutenção de hábitos saudáveis de vida e correção dos “errados”. Devemos fazer uma avaliação nutricional para um melhor balanceamento da alimentação, controle médico periódico e melhora do estilo de vida com medidas para redução de fatores pró-radicais livres. Para termos um envelhecimento saudável e evitar o surgimento de doenças, vários fatores devem ser considerados, entre eles o fator genético. É uma falácia achar que tomar vitaminas seja o "elixir da juventude" e além disso nenhum médico deve prometer resultados a pacientes.  O médico que promete resultados está infringindo o código de ética médica, pois a medicina é um contrato de meios e não de fins (resultados).
 
Dieta ortomolecular
 
R: Não existe dieta ortomolecular, sendo um insulto ao bom senso aceitar que tomando vitaminas a pessoa eliminará quilos. O Médico, claro, irá dar estímulo à reeducação alimentar, ingestão adequada de água e prática diária de atividade física. A ortomolecular pode auxiliar nos casos em que existam alterações laboratoriais como: alteração tireoideana (hipotireoidismo), hiperinsulinismo (aumento da insulina) ou resistência insulínica, compulsão por determinados grupos alimentares em decorrência de alterações nos neurotransmissores, dificuldade de exercitar-se devido fadiga crônica, etc.

Atividades físicas, são imprescindíveis na estratégia ortomolecular ?
 
R: São indispensáveis em qualquer tratamento médico que assim os requeira ou permita. Os efeitos benéficos do exercício vão muito além da redução do peso: proteção cardiovascular, ganho de massa muscular, sensação de bem-estar, melhoria na qualidade de vida, redução da pressão arterial e da frequência cardíaca, liberação de endorfinas, melhora na qualidade do humor, etc. Lembre-se que a mudança deve ser do estilo de vida! Estes exercícios devem ser iniciados, no caso dos sedentários, de modo gradual, após avaliação adequada, evitando-se assim riscos desnecessários
 
Os alimentos não são capazes de nos fornecer as vitaminas de que precisamos?
 
R: Há controvérsias. Na teoria alguns especialistas afirmam que somente com uma dieta equilibrada podemos alcançar as quantidades mínimas de nutrientes. Mas na prática percebemos que isso é improvável muitas vezes, mas não impossível. Por que alguns ortomoleculares são a favor da suplementação:
 
1 - Uma alimentação bem equilibrada pode ser muito difícil nos dias de hoje. Vejamos as recomendações: até 5 frutas por dia, 8 porções de vegetais, peixes com freqüência, leguminosas, cereais integrais, diferentes tipos de azeites, não cozinhar demais os alimentos, mastigar bem e devagar.... difícil não é?
 
2 - O nosso solo já não é tão rico quanto o solo de antigamente, obviamente, e como conseqüência os alimentos não são tão nutritivos como eram antes, principalmente devido à monocultura, falta de rotatividade do solo.

3 - O excesso de agrotóxicos, encontrado na maioria dos alimentos, especialmente as frutas e vegetais, também diminui o valor nutricional dos alimentos, além de ser prejudicial ao nosso organismo. Existem inúmeros estudos mostrando os malefícios do consumo de produtos que contém agrotóxicos.
 
4 - Uso de antibióticos e promotores de crescimento nos animais, favorecendo uma alteração na composição protéica dos animais (associe-se a isso a carne bovina contendo mais gordura devido o confinamento dos animais).
 
5 - Por conta do excesso de stress, poluição e a vida corrida, nosso organismo também não é mais o mesmo... nosso intestino e estômago estão em constante estado de desequilíbrio o que faz com que não consigamos digerir e absorver completamente as vitaminas e minerais dos alimentos. Além disso, devido à maior produção de radicais livres, precisamos de mais antioxidantes: NÃO antioxidantes isolados, mas um conjunto de antioxidantes (já que eles trabalham em sinergia).
 
Tudo isso associado ao abuso de alimentos industrializados leva a uma desnutrição subclínica, um enfraquecimento do organismo, que não é visível até surgirem doenças. Portanto, na opinião de uma grande maioria dos médicos que atuam na estratégia ortomolecular, a suplementação PERSONALIZADA faz-se necessária. Porém, somente deve ser feita por profissional habilitado, sendo que as doses utilizadas devem respeitar os limites de segurança (por exemplo a Noael - Nível de efeito adverso não observado). A isso denominamos de suplementação racional. Só se suplementa aquilo que é comprovado laboratorialmente que há deficiência. A suplementação às cegas é iatrogênica. É inadmissível o uso de polivitamínicos sem acompanhamento.

Como dito acima, é difícil conseguir todos os nutrientes mas não impossível. O médico que utiliza os preceitos ortomoleculares deve sempre focar na dieta do paciente e na manutenção de hábitos salutares de vida, a fim de diminuir a espoliação ou não absorção de nutrientes.
 
Vitaminas engordam?
 
R: Não, vitaminas não geram calorias; o que pode ocorrer é algumas delas restaurarem o apetite mas, nestes casos, é a ingestão errônea de outros alimentos que levará ao ganho de massa gorda.

Como funciona a consulta ?

R: A consulta é como qualquer consulta médica normal, anamnese minuciosa, exame físico, postulação de prováveis diagnósticos e solicitação de exames complementares para elucidar o diagnóstico. No retorno uma nova anamnese (re-anamnese que denomino), checagem dos exames solicitados, prescrição terapêutica, podendo esta ser composta apenas por mudanças de hábitos de vida e/ou de medicamentos (alopáticas, ou fitoterápicos, vitaminas, minerais, ácidos graxos, antioxidantes).

OBS: 
Não solicito exames não convencionais: HLB, Bioressonância. 
Se você tem plano de saúde, poderá fazer os exames por ele baseado na resolução da ANS denominada CONSU 8. 

Não prescrevo hormônios (GH, testosterona, Estradiol, hCG, DHEA, Esteróides anabólicos androgênicos).

O senhor utiliza quais exames na estratégia ortomolecular ?

R: Na minha pós-graduação em estratégia ortomolecular tivemos aula sobre vários métodos porém a maioria dos nossos professores foram unânimes quando o assunto era exames. Fico restrito a exames laboratoriais convencionais, exames de imagem, dosagem de minerais através do mineralograma capilar (exame do fio de cabelo), para mais informações ler o texto: http://www.ecologiamedica.net/2010/09/mineralograma-capilar.html

Por que o senhor não utiliza a bioressonância  ?

R: Porque após alguns anos lendo sobre ele, fazendo curso e comprando livros sobre ele, solicitando para alguns pacientes e inclusive solicitando pra mim (inúmeras vezes) vi que era um exame que não atendia minhas expectativas.

Não encontrei artigos científicos com evidências robustas para a sua solicitação. É um exame que depende do operador (quem executa o exame) e necessita de um ambiente sem poluição eletromagnética (algo difícil hoje em dia).

As alergias alimentares diagnosticadas por ele são infundadas (pesquisei isso na prática clínica, consultei 2 alergistas e a vice-presidente da ASBAI), metais tóxicos diagnosticados não correspondiam aos encontrados no mineralograma que eu solicitava (e isso foram mais de 100 vezes). Então parei de solicitar.

Quem tiver dúvida procure artigos científicos de pesquisas bem embasadas, buscando validar o método como científico. Na maior base de dados do mundo, a Pubmed (http://www.pubmed.com/) há pouquíssimos artigos sobre o tema.

Não confundir bioressonância com bioimpedância, essa eu solicito com frequência, por ser uma ferramenta extremamente útil nos processos de emagrecimento, tratamento para ganho de massa magra e etç